O beco e a saída

Quarta, 27 de maio de 2015 às 10:26:00

Professor Venâncio Dias Vicente é presidente da Apade.

Venâncio Domingos Vicente

Sinuca-de-bico ou beco-sem-saída são entes siameses. Neste último se meteu o magistério do Paraná.

Escrevo este texto por pura necessidade de mostrar o absurdo que é uma greve que se perpetua sem perspectivas de uma solução minimamente aceitável.

Quando a busca por um direito, fere direitos de terceiros inocentes perde a legitimidade e torna-se uma espécie de extorsão, um achaque!

Os professores estão em greve a perder de vista. Ninguém consegue enxergar o fim dessa enrascada. É que a questão tem ingredientes estranhos aos objetivos da demanda. Essa própria está mesclada de vários motes: salário, previdência, e ranço político, talvez o principal foco da pendenga.

Seja como for! A legitimidade não está nem deixa de estar aí. Ela está num terceiro elemento: terceiros. Os terceiros têm seus direitos suprimidos por essa greve: novecentas mil crianças e ou jovens têm negado o legítimo direito à educação de qualidade. São submetidos a um prejuízo irreparável para toda vida: osconhecimentos que não lhes foram fornecidos na época propícia.

Vamos repor as aulas, dizem os grevistas. Até pode, mas é uma reposição de mentirinha. Por isso o ensino acaba sendo uma farsa: o professor faz de conta que ensina, o aluno faz de conta que estuda; faz de conta o professor que avalia e faz de conta o aluno que aprende. O resultado é um IDE vergonhoso que nos estampa na cara a falência do sistema de ensino.

Aluno, pela origem da palavra, é o ser que precisa ser alimentado. Nós fazemos, nesse sentido, coisas ridículas: deixamos sem alimento a criança por 60 dias e queremos, em seguida, fazê-la engolir, num dia, o alimento que não lhe foi dado em meses anteriores.

Essa greve deixa patente uma coisa triste: o valor que, no Brasil, se dá à educação. Nenhum! Tem menos valor que 3% do salário do professor, tanto para os governos, quanto para os professores. 3% do salário é o “x” da questão. Egoísmo de um lado, desarranjo orçamentário do outro!?...

Vi mães professoras apoiando a greve, ao lado do filho que segurava pela mão. Certamente, esse filho estava matriculado numa escola particular. Ou então, ela não foge à regra: a educação não vale nada para nós brasileiros. Exceção seja feita, a bem da verdade, em época de campanha política, em que a educação é prioridade 1 (UM). Nesse furdunço, perde a sociedade paranaense, perdem de forma dramática os jovens. Ninguém ganha! Então por que continuar?

O que fazer para pôr fim a essa greve?

Boa vontade e diálogo, com vistas ao futuro da nossa juventude! Egoísmo, fora!

Venâncio Domingos Vicente é presidente da APADE.


Voltar

Notícias

22 mai

Passeio leva para cave de degustação de vinhos em Piraquara

22 mai

Asilo São Vicente de Paulo agradece doação da APADE

22 mai

Quer passar o feriado de junho na praia? Associe-se à APADE

Mais notícias

Fone: (41) 3323.6493

Endereço: Rua Des. Ermelino de Leão, 15 - 8º Andar - Curitiba - Centro - 80410-230

Aniversariantes
© Copyright 2015, administraçao escolar curitiba - Todos os direitos reservados